Escolhas

Ser eurodeputado não é coisa de somenos importância, uma vez que é no Parlamento Europeu (PE) que se negoceiam, propõem e decidem algumas das questões mais relevantes do dia-a-dia dos cidadãos. Daí que considere a necessidade dos partidos ponderarem muito bem as escolhas que fazem para as listas candidatas ao PE. Os cidadãos que as integram devem ou ter capacidade política comprovada, essencial para os processos negociais de todos os dias do Parlamento Europeu, ou capacidade técnica indiscutível, sobretudo em assuntos de interesse estratégico nacional. Quando não são portadores de nenhum destes tipos de competências arriscam-se a assumir o sempre indesejável estatuto de amadores, num palco só para profissionais.