Roda Viva

Quem ontem viu a capa do JM percebeu as voltas que o mundo dá. Mesmo um mundo onde alguns se comparam a Nuno Álvares Pereira e outros a Adolfo Suarez, dá voltas. Tantas, tantas, que muitas vezes o próprio estômago fica embrulhado como ficava quando éramos pequenos e dávamos várias cambalhotas seguidas em cima da cama. Enfim, o mundo gira, mas nem sempre avança e muitas vezes, dá um passo à frente para logo dar dois atrás, como se estivesse embriagado. O Tolentino Nóbrega traz hoje este artigo no Público, para lembrar a roda viva. Do Chico, que reza assim: Roda mundo, roda-gigante/Rodamoinho, roda pião/O tempo rodou num instante/Nas voltas do meu coração (...) A gente estancou de repente/Ou foi o mundo então que cresceu?